Inscreva-se

 

 

Variedades

Sobre esportes… ou melhor, livros sobre esporte

Escrito em: 30/05/2018 às 19:16   /   por   /   comentários (0)

Resolvemos falar de novo sobre literatura e por isso chamamos o Cláudio Henrique, produtor e apresentador do programa Conversações, da Rede Minas, para falar sobre livros que falam sobre esportes. Este post metalinguístico (se é que podemos chamar assim) é assinado por ele.

por Cláudio Henrique

Quando o assunto é esporte, o que nos vem à mente, quase sempre, é futebol; não sei se pelo fato de estar inserido fortemente na cultura brasileira, se pela cobertura da mídia, patrocínio mais generoso em relação aos demais esportes ou a junção de tudo isso.

Fato é que, além do futebol, existem diversas modalidades e praticantes no Brasil e mundo afora. À título de exemplo, podemos citar handball, tênis, basquete, vôlei, beisebol, rugby, futebol americano, dentre outros, que em países como Estados Unidos, Inglaterra, Nova Zelândia e Canadá tem enorme audiência, centenas de praticantes e, não por acaso, mídia e patrocínios milionários.

Basta “dar um google” pra descobrir que as civilizações sempre praticaram algum tipo de esporte, desde a Grécia antiga. De lá pra cá muitas modalidades foram criadas ou aperfeiçoadas. O mundo dos esportes se profissionalizando cada vez mais. E não podemos desconsiderar os milhares de atletas amadores espalhados pelo mundo.

Ao longo da história, pesquisas vem sendo desenvolvidas para registro, conhecimento ou mesmo aprimoramento das práticas. Áreas como psicologia e fisioterapia e terapia ocupacional tem contribuído, significativamente, para a performance, desenvolvimento, autocontrole, mitigação de acidentes e recuperação dos atletas. A literatura científica é vasta.

Mas não é só de ciência que vive o esporte. Milhares de títulos e gêneros vem sendo publicados: biografia, autobiografia, romance, conto, crônica, poesia. Se você pratica ou é fã de algum esporte ou atleta, não faltam opções de leitura. Abaixo destaco alguns títulos, gêneros e esportes. Ironia ou não, vou começar pelo futebol.

“Tempos, vividos, sonhados e perdidos” – Tostão

Leitor voraz, médico e professor, Tostão é um dos poucos atletas que se dedicaram a refletir sobre o futebol. Como comentarista ou cronista, suas observações sempre foram muito além do desempenho deste ou daquele jogador.

No livro, Tostão faz um panorama das últimas seis décadas do futebol brasileiro. Mais do que uma autobiografia, trata-se de um passeio pelos temas e ideias que Tostão cultivou. Dá ao leitor a oportunidade de acessar não apenas o jogador, mas também o espectador e torcedor.

“Correr – o exercício, a cidade e o desafio da maratona” – Drauzio Varella

Conhecido pelo famoso “Carandiru”, que deu origem ao filme, Drauzio Varella consegue, há mais de vinte anos conciliar rotina hospitalar, programas de TV, pesquisas, palestras e viagens com a prática regular de exercício físico. Para ele, correr não é um passa tempo ou modinha, é o que lhe dá equilíbrio para enfrentar os desafios da vida.

No livro Correr, o médico conta como e por que decidiu espantar o sedentarismo; relata o desafio da primeira maratona; dá um panorama da história das corridas desde sua suposta origem na Grécia antiga e ainda oferece informações médicas sobre a prática. Mais que recomendável aos atletas e não atletas.

“Aprendendo a jogar poker” – Léo Bello

De origem controversa – alguns atribuem à França, outros à China, em períodos históricos distintos – o poker tornou-se o jogo de cartas mais popular do mundo. No livro, Leo Bello aborda suas experiências em torneios brasileiros e mundiais e questões técnicas, inclusive com ilustrações bastante didáticas. O autor faz um paralelo com o mercado financeiro: no poker, deve-se ter o mesmo raciocínio de um investidor que é proteger seu capital ao máximo, diversificando os jogos e limites, sabendo o momento de arriscar ou não.

“Sementes da vitória” – Nuno Cobra

Nuno Cobra, mais conhecido do grande público como preparador físico de atletas como Ayrton Senna, desenvolveu um método de trabalho que não se limitou aos atletas profissionais. Suas técnicas são utilizadas de empresários a estudantes. O livro contém dicas e orientações práticas para as pessoas melhorarem seus níveis de saúde e desempenho nas atividades diárias. Os capítulos sobre os benefícios do sono e alimentação equilibrada merecem destaque. O autor condensa os princípios do chamado Método Nuno Cobra, com ideias inovadoras sobre a conquista da qualidade de vida por meio de uma profunda mudança de hábitos.

“Profissão surfista” – Carlos Burle

“O surfe de ondas grandes é o ser humano enfrentando a natureza no grau mais elevado de seu poder físico e psicológico. Existem mais de 7 bilhões de pessoas no mundo, mas só alguns desses seres são capazes de fazer o que fazemos”, Carlos Burle.

Em depoimento ao jornalista e escritor André Viana, Burle, primeiro campeão e incentivador do circuito mundial de ondas grandes e do tow-in, fala – com bom humor e a coragem que demonstra diante da fúria da natureza – sobre infância, os dramas familiares, sexo, drogas e polêmicas dentro e fora do mar e o lado profissional do esporte, para além do prazer. O surfista faz um passeio por décadas de dedicação ao esporte, do anonimato ao estrelato.

“1981 – o ano rubro-negro” – Eduardo Monsanto

O livro é, sobretudo, como o Flamengo caminhou para que o time derrotasse o Liverpool por 3×0 e entrasse para o reduzido grupo de melhores equipes de todos os tempos.

O leitor vai perceber que, para chegar ao topo, o Flamengo não contou “apenas” com onze jogadores de alto nível e performance, mas com a contribuição de vários atores. Um deles foi o Cláudio Coutinho que teve papel fundamental na formação do elenco e, principalmente, na forma como o time jogava e continuou jogando. Com texto e narrativa muito agradáveis, o livro traz também fotos raras e reprodução de ingressos, gráficos explicando gols e esquemas táticos e até dados sobre o Flamengo em diversos campeonatos.

“Profundezas, mergulhando em busca de si” – Guillaume Néry

“A vida de um homem é o intervalo entre sua primeira e sua última respiração”, afirma Guillaume Néry, recordista francês e mundial de mergulho em apneia (freediving), modalidade esportiva em que o atleta dispensa os cilindros de ar comprimido e usa apenas o ar dos pulmões. O que Néry experimenta entre a última inspiração, antes de imergir, e a primeira inspiração, após voltar à superfície da água, é uma bela e dramática imagem da própria vida. O autor oferece muito mais do que uma descrição objetiva do que se passa em cada estágio do mergulho; o leitor entra em contato com o aprendizado de Nery, adquirido ao encarar os limites humanos por meio desse esporte: realizar mergulhos livres ultrapassando 100 metros abaixo da superfície do mar.

Para quem ficou curioso em conhecer o programa, você encontra o Conversações no Facebook, Twitter, Youtube e Instagram.

Comentários (0)

Escreva um comentário

Comentário
Nome E-mail Website