Inscreva-se

 

 

Fórmula 1, Start Sports

GP DA INGLATERRA 91: O LEÃO RUGE PELA TERCEIRA VEZ E DÁ CARONA PARA SENNA

Escrito em: 03/07/2015 às 18:41   /   por   /   comentários (0)

f1

Vencer quando se corre no seu país natal geralmente tem um sabor especial para os pilotos da Fórmula 1. Fazer isto mais de uma vez costuma ser para poucos. E um dos pilotos mais queridos da história fez isto 4 vezes, e junto com outro mito, protagonizaram uma das cenas mais curiosas da Fórmula 1.

O artigo de hoje recordará a história do GP da Grã-Bretanha de 1991. O protagonista foi o piloto inglês Nigel Mansell, conhecido até hoje como “Leão”, por causa de arrojo em muitas de suas pilotagens que, ao mesmo tempo que rendia grandes corridas, também lhe impediu de ter conquistado mais títulos na Fórmula 1, devido a erros homéricos cometidos em algumas situações relativamente fáceis durante a sua carreira.

O “Leão” Nigel Mansell, em 1991. FOTO: madaboutsports.com.au

O “Leão” Nigel Mansell, em 1991. FOTO: madaboutsports.com.au

“No embalo de sua primeira vitória na temporada conquistada no GP anterior, na França, Nigel Mansell fez o melhor tempo do classificatório e garantiu a pole position. Senna, que havia feito quatro poles no ano, confirmou sua boa fase nos sábados e ficou logo atrás do rival da Williams.

A disputa entre os dois foi grande na largada, quando Senna ultrapassou o rival com uma bela manobra pela direita. Mas, ainda na primeira volta, Mansell deu o troco no brasileiro e reassumiu a ponta, para delírio da torcida britânica.

Ainda no giro inicial, o outro piloto da Williams, Riccardo Patrese, que ocupava a terceira colocação no Mundial, sofreu toque na traseira de seu carro e abandonou a prova, o que selaria a briga pelo título entre Senna e Mansell até o fim da temporada.

Jean Alesi e Alain Prost, na Ferrari, largaram na terceira fila e, com a escuderia italiana em má fase, nada puderam fazer a fim de parar Mansell ou Senna. Na Benneton, Nelson Piquet havia largado na oitava posição e não ameaçava os pilotos do pelotão frontal.

Após a briga na largada e na primeira volta, Mansell conseguiu se distanciar e venceu a prova com tranquilidade. A mesma calmaria não teve Senna, que manteve a segunda posição até o giro final. Mas, no finalzinho da corrida, uma pane seca parou a McLaren do brasileiro.

Com isso, Gerhard Berger, companheiro de Senna, cruzou a linha de chegada em segundo e o ferrarista Alain Prost, que viu o pódio cair em seu colo, foi o terceiro. Como já tinha marcado 58 voltas, Senna ainda garantiu a quarta colocação e conquistou três pontos, metade do que marcaria se ficasse em segundo. Piquet ficou uma posição atrás.

Depois de sair do carro, Senna, longe do paddock, aproveitou que o vencedor da prova encostou ao seu lado para subir na lataria de seu carro e pegar uma carona com Mansell. O britânico comportou o brasileiro atrás do cockpit e recebeu dois tapinhas no capacete antes de partir e continuar acenando para o público. Um funcionário da prova até tentou coibir a ação de Senna, mas já era tarde. O brasileiro o afastou e seguiu de carona com o britânico para protagonizar uma das cenas mais tradicionais da Fórmula 1.

A prova serviu para apimentar a briga pelo título da temporada, pois era o segundo triunfo consecutivo do britânico da Williams, que baixou de 25 para 18 a diferença no Mundial de Pilotos”.

(texto retirado do site www.esporte.ig.com.br/automobilismo/f1).

Imagem histórica da “carona” que Mansell deu para Senna ao final do GP da Grã-Bretanha de 1991. FOTO: www. esporte.ig.com.br.

Imagem histórica da “carona” que Mansell deu para Senna ao final do GP da Grã-Bretanha de 1991. FOTO: www. esporte.ig.com.br.

Foi a terceira vitória de Mansell em casa. Na temporada seguinte venceu em Silverstone pela quarta e última vez, quando, finalmente, foi campeão na Fórmula 1.

A inusitada cena pode ser vista neste vídeo:

Quem buscar vencer pela terceira vez em Silverstone é o líder do campeonato Lewis Hamilton. Nas duas vezes anteriores que venceu em casa, o inglês levou, ao final da temporada, o título do Mundial de Pilotos. Será que a escrita será mantida em 2015?

O circuito da corrida

O Grande Prêmio da Grã Bretanha (mais conhecido no Brasil como GP da Inglaterra) junto com o GP da Itália são as únicas etapas da história da Fórmula 1 que sempre aconteceram de forma interrupta, ou seja, nestes 65 anos sempre estiveram presentes no calendário da F1.

Vista aérea do Circuito de Silverstone onde se realiza o GP da Grã-Bretanha desde 1950. FOTO: www www.gtbazinga.com.br.

Vista aérea do Circuito de Silverstone onde se realiza o GP da Grã-Bretanha desde 1950. FOTO: www www.gtbazinga.com.br.

Além de Silverstone, a Fórmula 1 na “Ilha da Rainha” já utilizou os circuitos de Aintree e de Brands Hatch. Entre 1955 e 1986 a corrida alternava sua sede, ocorrendo um ano em Silverstone e no seguinte em Aintree ou Brands Hatch. Somente em 1987 é que a etapa da Grã Bretanha passou a ocorrer somente em Silverstone. Ainda ocorreu uma corrida em Donington Park no ano de 1993, mas que valeu como GP da Europa.

Detalhe de uma das retas mais conhecidas da Fórmula 1 a “Reta do Hangar”. FOTO: pt.wikipedia.org.

Detalhe de uma das retas mais conhecidas da Fórmula 1 a “Reta do Hangar”. FOTO: pt.wikipedia.org.

O lendário circuito de Silverstone passou por várias modificações desde a primeira corrida realizada por lá em 1950 para atender as exigências da FIA ao longo dos últimos anos. O traçado atual é composto por retas, várias curvas rápidas e algumas lentas (onde o traçado pode ser montado com combinações diferentes). Possui 5891 metros e em situações normais, os pilotos deverão percorre-lo por 52 vezes para que se conheça o vencedor da etapa britânica da Fórmula 1.

Circuito de Silverstone onde se realiza o GP da Grã-Bretanha. FOTO: pt.wikipedia.org.

Circuito de Silverstone onde se realiza o GP da Grã-Bretanha. FOTO: pt.wikipedia.org.

Pilotos e equipes devem ficar atentos. Na cinzenta Inglaterra a chuva é sempre possível de ocorrer, adicionando mais emoção à corrida.

Dados históricos

Nas 65 edições realizadas até agora do GP da Grã Bretanha, 38 pilotos diferentes venceram lá. O italiano Giuseppe Farina foi o primeiro vencedor, em 1950, correndo no antigo traçado de Silverstone.

Os maiores vencedores de GPs da Grã Bretanha são o inglês Jim Clark e o francês Alain Prost, com 5 vitórias cada. Prost é o maior vencedor em Silverstone, pois todas as suas 5 vitórias foram conquistadas lá. Por equipes, quem mais venceu até agora foi a Ferrari com 16 vitórias (13 em Silverstone), seguida pela McLaren, com 14 vitórias (12 em Silverstone).

A pole mais rápida do atual traçado foi feita por Lewis Hamilton, pela Mercedes em 2013, com o tempo de 1min 29s 507 (com os carros com motores V8). Já a volta mais rápida foi feita por Fernando Alonso, em 2008, pela Ferrari, com o tempo de 1min 30s 874 (também com os carros com motores V8).

Expectativa para a corrida

Na Inglaterra, chegaremos à nona etapa deste mundial e o campeonato começa a se aproximar de sua metade, que seria alcançada na Alemanha. Porém, como não houve acerto entre a federação de automobilismo germânica e a FIA, a próxima etapa da F1 só ocorrerá daqui a 3 semanas na Hungria.

Hamilton, que teve um início de temporada espetacular, não consegue mais ampliar a vantagem na liderança do Mundial de Pilotos e, desde o GP de Mônaco, vem se alternando no alto do pódio com o seu companheiro de equipe Nico Rosberg. O alemão, venceu 3 das últimas 4 corridas e, dá um recado claro para Hamilton: a disputa seguirá acirrada até o final da temporada.

A Ferrari, que parecia que se firmaria como a segunda força do grid desta temporada, viu a Williams subir no pódio nas duas últimas corridas. É… Parece que o time de Maranello, vai ter é que se preocupar em garantir este posto antes de pensar em algo melhor para 2015.

A McLaren voltou a não terminar mais uma corrida nesta temporada com os seus dois carros. Enquanto Alonso se envolveu em um acidente com Raikkonen logo no início da corrida, Button abandonou a mesma algumas voltas depois.

Felipe Massa foi o destaque da última corrida. Largando em quarto, contou com um erro da Ferrari durante o pit stop de Vettel, para assumir o terceiro lugar que não largou até o final da corrida, mesmo tendo passado boa parte do final da mesma sofrendo intensa pressão do piloto alemão da Ferrari e, assim, levar a Williams ao seu segundo pódio consecutivo nesta temporada. Na Inglaterra Massa e a Williams, buscarão continuar a diminuir a diferença em relação ao time italiano na disputa pelo posto de segunda força no grid de 2015.

Já Felipe Nasr buscará se manter competitivo no campeonato. Porém a falta de evolução do carro da Sauber, tornam a tarefa do “brazuca” do time suíço um pouco mais árdua.

Hamilton continua sendo o líder, mas Rosberg não o deixa “abrir” uma grande vantagem na liderança do Mundial de Pilotos. FOTO: Reuters.

Hamilton continua sendo o líder, mas Rosberg não o deixa “abrir” uma grande vantagem na liderança do Mundial de Pilotos. FOTO: Reuters.

Horários:

Classificação – 04/07/2015 (sábado), 09:00h (09:35 começa a transmissão na TV aberta) (horário de Brasília),
Corrida – 05/07/2015 (domingo), 09:00h (horário de Brasília)
O treino e a corrida serão transmitidos pela Rede Globo. Boa corrida para todos.

Comentários (0)

Escreva um comentário

Comentário
Nome E-mail Website