Inscreva-se

 

 

Copa do Mundo, Futebol Internacional

FRANÇA, A BICAMPEÃ QUE PODIA TER FEITO MUITO MAIS

Escrito em: 18/07/2018 às 12:15   /   por   /   comentários (0)

A França é bicampeã mundial de futebol. Com todos os méritos, mas ainda assim não fiquei satisfeito. Achei que faltou alguma coisa.

Achei que os “Blues” conquistaram sua segunda Copa do Mundo sem precisar jogar tudo o que sabiam e podiam. Uma coisa que não me lembro de ter visto em todos esses anos em que acompanho a maior competição da FIFA (desde 94, diga-se de passagem). A França foi uma seleção muito, mas muito objetiva. Jogava para vencer e dominava as partidas, sem precisar travar nenhum embate épico para ser campeã. Sem precisar daquele algo mais.

Eu juro que pensei em não citar o técnico – pois falo mal dele nos StartCasts e até em minhas publicações – mas não tem como. Dechamps teve três trabalhos como técnico antes de assumir a seleção: o Monaco vice campeão da Champions em 2004, a Juventus campeã da Série B do Calcio (2006) e o Olympique de Marseille campeão francês e da Copa da Liga de 2009. Todos trabalhos vitoriosos, mas sem um futebol primoroso. Aliás, falemos a verdade: ele é um técnico burocrático. Mas técnicos burocráticos também ganham copas. E assim, Dechamps montou uma seleção com vários grandes jogadores, mas que jogou para ganhar a Copa e nada mais do que isso. E conseguiu.

Didier Deschamps carregado por seus jogadores.

Didier Deschamps carregado por seus jogadores. FOTO: AFP

Do primeiro ao último jogo, a França não precisou se sobressair em um jogo se quiser para ser avançar na Copa. Quem deu mais trabalho, por incrível que pareça, foi o catado de jogadores que a Argentina levou pra Rússia, que na base da loucura e da bagunça, chegou a estar vencendo os franceses. Mas ainda nesse jogo, quando pôs os nervos no lugar, a França amassou os Hermanos.

Assim sendo, a seleção francesa teve duas características destacadas na Copa: eficiência ofensiva e solidez defensiva.

Kanté durante a final da Copa.

Kanté durante a final da Copa. FOTO: Christophe Simon / AFP

Comandada por Kanté – que pra mim foi o melhor da Copa – a defesa francesa pouco sofria com os ataques adversários. E olha que os quatro titulares da linha defensiva e o goleiro – Lloris, Pavard, Umtiti, Varane e Hernandez – para mim não passam de jogadores medianos e bons. Mesmo assim foram pra lá de seguros.

No ataque, a velocidade de Mbappé e a técnica de Griezmann fizeram muita diferença. Aliás, se tinha alguma dúvida sobre esses dois ela se foi. O jogador do Atlético de Madrid finalmente foi o líder que se esperava e finalmente venceu títulos importantes. E Mbappé foi decisivo nos mata-matas, conseguiu coisas que só Pelé havia conseguido, mostrando que pode ir longe na carreira. E não, não vou falar mal do Giroud.

Griezmann, Giroud e Mbappé. O ataque francês na Copa.

Griezmann, Giroud e Mbappé. O ataque francês na Copa. FOTO: Getty Images

Um dos símbolos de que essa França podia ter jogado muito mais é Pogba. Melhor jogador jovem na Copa do Brasil e uma das negociações mais caras da história, ele fez o feijão com arroz a Copa toda. Não correu um metro a mais do que precisou. Foi decisivo na final, mas quase não foi visto na maioria da Copa.

Enfim, não estou diminuindo a conquista francesa. Ao contrário, afirmo que a taça ficou com a melhor seleção. Das quatro grandes favoritas, a França foi a única que fez o que se esperava dela. Assumiu e consumou o favoritismo. Mas não foi acossada. Fez o melhor jogo da competição – o já citado embate com a Argentina – e o pior – o jogo de compadres com a Dinamarca na fase de grupos. Passou por Austrália e Peru sem jogar um pouquinho que seja além do necessário. Venceu um Uruguai inoperante – com uma ajuda grande de Muslera. E não teve tanto problema para vencer a Bélgica – que aliás, parece que ficou com medo de apertar a França.

A final ficou para a história por um punhado de fatores, mas não foi uma disputa equilibrada. A França em momento e nenhum perdeu o controle do jogo. Nem quando era pior que a Croácia. Tinha o domínio físico e mental do jogo. Pode discutir a arbitragem de Pitana, mas acho que isso não mancha a vitória francesa.

No fim das contas o título está em boas mãos. Agora, não sei se dá para esperar que essa França, que é muito jovem, evolua mais e marque época. Pode ser. Assim como pode ter mais gente pra entrar nela – como Payet e Martial, por exemplo. De qualquer forma, eu espero que essa França seja mais do que um time vencedor. Um time que apresente mais.

Por hora, ainda gosto mais do time de 98. Exceto do Dechamps, claro.

Comentários (0)

Escreva um comentário

Comentário
Nome E-mail Website